Divórcio Concensual & Mediação 

06/04/2020

Se observarmos essa imagem de duas pessoas se divorciando podemos ver um coração no papel partido em dois, fato. Mais atentamente exergaremos duas pessoas que um dia se propuseram a compartilhar momentos, vida, caminhos juntos de amor, amizade e felicidade. Mas temos a tendência de só olhar um trilho reto, a princípio, sem desvios. Mas se pararmos por um instante podemos sentir também que eles estão sentados sem andar nem para frente nem para os lados e menos ainda para trás muitas vezes armados até os dentes para defender bens adquiridos e brigar pela guarda dos filhos. Será que a dissolução foi ou vai ser a melhor solução para esse casal?! Não se trata de terapia essa pergunta só o tempo ou o que foi vivido entre eles terá resposta. Mas a forma de resolver esses conflitos e restabelecer essa relação através do diálogo é que pode ser resignificada. Não espere chegar a esse ponto de rasgar seus sonhos e seus planos a dois ou tomar decisões tão definitivas como a distância sem antes vislumbrar caminhos que possam reaproximar vocês e restabelecer o diálogo. Claro que viver uma relação por acomodação não é solução. Mas antes de tomar suas decisões vamos trabalhar a comunicação?! As sessões de mediação podem auxiliar e ajudar a resgatar e transformar essa relação para que o divórcio seja colaborativo e consensual sem tanto desgaste emocional nem financeiro. Que tal colar essas metades resignificando sua história?! Vamos mediar?

 Quem lembra do filme A Guerra dos Roses. Quem já assistiu?! Um clássico dos divórcios judiciais.

Hoje a mentalidade está mudando. Um bom planejamento sobre o regime jurídico de bens antes do casamento e até sobre planejamento patrimonial sucessório você pode evitar muita dor de cabeça no final. 

Agora você pode contar também com a mediação de conflitos familiares e com a utilização das práticas colaborativas na advocacia para trazer menos desgastes emocionais e financeiros para sua situação.

 Menos custoso, mais eficiente, mais rápido e menos desgastante.

As pessoas geralmente não tem noção do que é um divórcio litigioso. 

É um verdadeiro pandemônio que pode se arrastar anos num tribunal com custos financeiros elevados. 

Já com a mediação e com as práticas colaborativas a solução será personalizada e construída por ambas as partes, os mediados, e com o amparo jurídico dos advogados e será certamente boa para todos, no famoso sistema ganha-ganha. 

Então, vamos negociar?!